19/04/2008

Viva o Sol


Assim como todos os seres vivos,  estes talheres estão à procura do Sol, e se alongam o quanto podem para alcançar a fonte de vida do planeta. É mais ou menos essa a definição do set de talheres da OuTable, uma jóia do Salão Satélite de Milão.  Os talheres são inclinados para a direita e têm o cabo mais grosso para servir de base. OuTable é um projeto do grupo israelense d-Vision.

O estande do grupo já chama a atenção pelas formas orgânicas que criam nichos para a exibição dos produtos. Dentro dos nichos, utensílios de cozinha em plástico, como estes outros talheres aqui abaixo, que têm só a parte superior e podem ter cabos de galhos, gravetos.

O projeto defende o uso do plástico para utensílios para áreas externas e recria os objetos com tom lúdico e bem-humorado.

E olha que bacana. Eles fizeram uma espécie de Regina Silveira (artista brasileira que trabalha com imagens das sombras que se fundem aos seus objetos) de copos e canecas para usar no piquenique.

 

Mara Gama às 19h25

Articulados e Compactos

Um dos estandes mais simples do Salão Satélite é o do designer japonês Takashi Sato. Mas o público se interessa por ver o simpático banquinho de madeira, com capa de feltro, que se desmonta como envelope, ficando plano e fácil de guardar.


Constraction é o nome do sistema de desenho e construção de mobília modular, baseado num gride fixo de três partes. O mobiliário usa material da construção civil e é multifuncional.

O sistema foi criado pelo arquiteto e designer Nuno Soares, que vive em Macau, China. A "Stackable Kitchen", que faz parte da série Constraction, tem rodízios e é toda articulada. Um dos módulos tem pia e outro, bocas quentes de cerâmica. Podem ser associados por causa do gride, que mantém as unidades com alturas compatíveis e complementares.

Segundo descrição do autor, o sistema combina a racionalidade e o rigor da abordagem projetual européia com a flexibilidade e a exiguidade de espaço asiática. 

Mara Gama às 18h23

18/04/2008

Salão Satélite

 

Não é fácil escolher, mas a lixeira da foto acima é forte concorrente a objeto mais bacana do Salão Satélite, na minha opinião. Hastes de madeira que se prolongam em pregadores de roupa, ela serve de suporte para qualquer tipo de saco plástico. É da Hommin Design, da Suécia, estúdio criado por Hung-Ming Chen, que cria objetos lúdicos e de desenhos simples.

E o Salão Satélite tem muitos bons exemplares de objetos. É de longe a parte mais simpática e arejada de todo o imenso complexo da Feira de Milão.

São 4,5 mil metros quadrados com corredores mais amplos, estandes brancos, com metragem pequena e iluminação simples. Para se ter uma idéia, a feira toda tem área expositiva de 226 mil metros quadrados, para todos os salões. E no resto da feira há uma competição muito acirrada de cenografia e pirotecnias variadas nos estandes. Tem coisa legal, mas cansa os olhos.

Os expositores do Satélite - escolas, estudantes e designers em início de carreira ou parte de coletivos alternativos - também personalizam seus espaços, mas há uma base comum, que torna a leitura do espaço mais fácil e sem ruído. E há uma falta de grana que abaixa a bola da megaprodução e favorece a exibição dos objetos.  

O Satélite é basicamente frequentado por estudantes, designers e jornalistas. A maior parte dos estandes tem os criadores demonstrando suas criaturas, dando informações sobre materiais, técnicas e idéias.

Katrin Sonnleitner, a criadora do objeto acima, estava no estande, mostrando a sua Möbelette, objeto que propõe "um novo jeito de lidar com seus móveis" , segundo o flyer. Tem uma aparência de ordem - com portinha de madeira - e na real é um grande saco de pano para jogafr suas coisas. "E do que mais você poderia precisar?"

John Niero também estava no estande telefonando enquanto mostrava a sua poltrona e pufe J Low e outros objetos. A J Low é bacana, você vê logo aqui abaixo, e o cabelo do John é de mancha de onça, super bem feita. O nome do estúdio do John é: "Just not Normal".

Mara Gama às 20h57

Nichos irregulares

 

As estantes com nichos irregulares também são mainstream. A Melody, da Neuland Industriedesign para a MDF Itália tem prateleiras removíveis para comportar volumes mais compridos, como livros de arte, edições especiais, e deixar espaços mais finos para livros pesados e pequenos objetos.

Também com nichos irregulares, mas com cores e referência/reverência à clássica Libreria de Charlotte Perriand e Jean Prouvé, de 1952, a estante abaixo é a Level, do designer israelense Arik Lewy, para a italiana Zanotta, também no Salão Internacional do Móvel de Milão, 2008.

 

Mara Gama às 07h40

Pivot

Num mar de variações sobre os objetos costumeiros de todos os tipos é um prazer encontrar um exemplar de idéia simples, interessante e além de tudo um pouco estranha, divertida. O objeto acima é o Pivot, de Shay Alkalay, para a Arco. Um miniaparador, que se abre em duas gavetas articuladas em arco para frente, como uma boca se abrindo. É do tipo de objeto que pode mudar o trajeto de uma casa, interferindo na rotina. 

 

Mara Gama às 07h27

Aguapés dos Campana

Em couro grosso, a colagem de pétalas dos Campana foi feita nas cores rosa, verde, natural e branca. Pés de aço, leve e confortável. Para a Edra, lançada durante o Salão Internacional do Móvel de Milão 2008.

Mara Gama às 07h16

Poderosas de Starck

"Misses Flower Power" são vasos gigantes, de 1,64 m, que a Kartek exibe em seu estande no Salão Internacional do Móvel de Milão. Em policarbonoato transparente, podem ser em verde, amarelo e vermelho. As versões mais antigas são opacas, em branco, preto e vermelho. As "Misses Flower Power" são leves e a abertura para colocar as flores é do tamanho de um vaso médio. Podem ser usadas com água para as flores frescas ou com terra para plantar e cultivar. Mais uma graça de Philippe Starck, em parceria para este projeto com Eugeni Quitllet. 

 

Mara Gama às 06h29

Sofás de blocos

Mario Bellini também fez, na série Via Lattea, um sofá iluminado de blocos. Não dá para chamar de novidade e nem de tendência, mas quase todas as casas de design do mainstream têm seu sofá de blocos. O legal é que são muito diferentes uns dos outros, não se desprendem e têm materiais apropriados para ficar grudado no chão. Abaixo o sofá iluminado de Bellini.

  

Francesco Binfaré batizou "Sofà" o seu componível de blocos, em couro, básico e superconfortável, que pode ser trasnformado em chaise, sofá de canto. Abaixo o ambiente criado no estande da Edra, com várias peças da coleção de Binfaré para ilustrar as possibilidades.

  

 

Mara Gama às 06h13

17/04/2008

Pufemania: ultracoloridos e luminosos


Há também os pufes determinados a ser o foco de atenção de qualquer lugar. Os ovinhos da Meritália estão nessa categoria. Não são inéditos, mas estão cada vez mais coloridos.

Quem brilha mais é o pufe com luz própria, de Mario Bellini para a Meritalia. É da série Via Lattea. Feito com material de embalagem industrial, de fibra recliclada e reciclável, de baixo custo, para transporte de grãos, o pufe é recheado com fitas e leds e funciona também como luminária.

 

Mara Gama às 19h09

Filhos mais comportados dos pufes

O cruzamento entre sofás, poltronas, chaise-longes e os pufes versão tradicional já vem dando resultado faz tempo, desde que começou a onda do lounge. Há muitas experiências sobre o tema na feira de Milão este ano, com formas diferentes e acabamento em couro para funcionar em ambientes mais formais.  O pufe bacana aqui abaixo, de formato irregular, é o Maki, da Swan.

Mas entre todos os modelos, se destacam os da linha Zoe, da Verzelloni. Não dá vontade de sair nunca mais. Abaixo, a versão Chaise longe, em linho, cores queimadas, como o cinza e esse roxo desbotado. Apesar do conforto, tem firmeza e a forma estrutura bem o objeto, dando sustentação a quem nele se senta. O "encosto" mantém o olhar numa posição confortável para ler, conversar ou ver TV. Projeto do Studio Lievore Altherr Molina para a Verzelloni.

Confortáveis e divertidos, com acabamento de feltro em cores muito vivas como vermelho, laranja, azul cobalto, os baby Zoe, abaixo, têm 75 cm de largura no assento na frente, 68 cm de largura no encosto e 81 cm de profundidade.


 E se você acha que sentar num pufe pode dificultar o acesso ao drink, agora seus probleemas acabaram. O pufe com mesinha da Capellini parece uma ilha perfeita.

 

Mara Gama às 19h08

15/04/2008

 

Além da Egg, de Jacobsen, que faz 50 anos, a Sacco, dos torineses Piero Gatti, Cesare Paolini e Franco Teodoro, também faz aniversário redondo em 2008. Criada em 1968, para a Zanotta, a Sacco ganhou o Compasso D'Oro em 1970 e nunca deixou de ser produzida.

Foi a primeira ou o primeiro -cadeira? pufe? - a ser recheada (o) com bolinhas de poliestireno semi expandido: ultramoderno.

Para comemorar durante os salões, a Zanotta criou a mostra “La Commedia del Sacco”, que abriu nesta terça, dia 15, aqui em Milão, e também fez edição especial.
 

Mara Gama às 19h51

"Egg" em patchwork

Há 50 anos, Arne Jacobsen criava a poltrona Egg, que foi produzida por Fritz Hansen, para o SAS Royal Hotel de Copenhagem, na Dinamarca.

Para comemorar a Hansen produziu e começou a vender, em fevereiro, uma série especial de 999 poltronas: as Golden Egg, na cor chocolate, de ultrasuede e couro. As cadeiras são numeradas e têm grafado um pequeno texto contando sua história.

Para os salões de Milão, a Hansen convidou o artista israelense Tal R, hoje professor da Dusseldorf Academy of Arts, para criar revestimentos em patchwork para 50 cadeiras.


Mara Gama às 19h37

Começa a temporada de design em Milão

Começa nesta quarta, 16 de abril, a feira de design de Milão 2008. Os eventos paralelos já começaram hoje, nas galerias e ateliês da cidade. E a agenda dos paralelos é extensa. Com o grande número de visitantes de fora, o circuito de design e arquitetura se mobiliza para criar eventos.

São sete salões este ano. O número varia, pois alguns salões são bienais e outros anuais. Os sete: o Internacional do Móvel (47a edição); o Internacional de Complementos de Decoração (22a ediçao); Eurocucina (17a edição); FTK - Tecnologia para a Cozinha (3a edição); SaloneUfficio (14a edição); Internacional de Banheiros (2a edição) e o Salão Satélite (11a edição) para projetos de jovens designers e estudantes.

O Salão Satélite é o mais esperado, pelo público, pelos designers, pelos jornalistas e pelos caça-talentos das empresas. É de lá que podem vir as novas idéias e os produtos ou projetos com potencial de industrialização para algum tipo de mercado.

Este ano serão 570 designers, de 22 escolas internacionais de design. Entre as escolas estão as do programa ODCD (Oriental Domestic Culture & Design), que envolve a universidade de Thsinghua, na China, a Musashino University, do Japão, e a Kookmin Uinversity, da Coréia. Há um processo de seleção a cargo de um comitê com designers, críticos e curadores de várias instituições italianas e européias.

Mara Gama às 19h19

"Descobrir o design" - mostra com a coleção de Von Vegesack em Turim

A Pinacoteca Giovanni e Marella Agnelli, na área do Lingotto, em Turim, mostra até 6 de julho a coleção de Alexander von Vegesack, com o título "Descobrir o Design".

A mostra faz parte do projeto "Turim 2008, capital mundial do design", que dura o ano inteiro com exposições, debates, ciclos de conferências e publicações, com o intuito de popularizar o design.

 

Mara Gama às 16h10

A arca do colecionador viajante

Alexander von Vegesack, 63, é hoje mais conhecido como fundador do Museu Vitra, museu que se popularizou com a série de cadeirinhas miniatura vendidas pelo mundo afora desde 1992.

Mas seu interesse e sua ligação com o mundo do design começou na adolescência, com suas viagens e a paixão por colecionar.

Começou a estudar os objetos que lhe chamavam a atenção e acabava por arrematar a partir de uma cadeira Thonet que comprou num mercado de pulgas em Hamburgo, Alemanha, segundo conta, em vídeo que integra a exposição, o designer Michele De Lucchi.




Partindo de uma cadeira, se tornou o maior colecionador de móveis Thonet do mundo, viajando em busca de exemplares de que tinha notícia.

Também se tornou um dos maiores especialistas em móveis da fábrica, fundada em 1819 por Michel Thonet e considerada a primeira a fabricar móveis em série. Publicou estudos e catálogos sobre a empresa, em conjunto com outros estudiosos e fundou um museu Thonet na Alemanha.

O interesse por Thonet derivou mais tarde no interesse por Alvar Aalto e nos móveis de metal tubular que tiveram grande impulso durante a Bauhaus.

O viés inicial da coleção teria sido, portanto, o engenho de Thonet na moldabilidade da madeira, que curvou a vapor, conseguindo formas até então impossíveis de obter com o material e dando leveza aos objetos que deixaram de precisar de encaixes e ferragens.

O mesmo engenho que Aalto exploraria nos laminados curvados que permitiram o grande impulso da indústria de design Nórdico, e que Charles e Ray Eames e Jean Prouvé expressaram nos tubulares.

São ao todo 300 os objetos expostos da coleção. Há luminárias emblemáticas (algumas que o público paulistano pôde ver na mostra Luminar, na Faap, há alguns anos), selas de montaria, uma carroça Amish, uma ala só para exemplares de móveis Thonet a alguns anônimos muito similares. Há também mobiliário de Le Corbusier, a Zig Zag de Rietvelt, Ron Arad e uma cômoda de Luis Baragan além de objetos de artesanato recolhidos em viagens.

Logo na entrada da mostra na Pinacoteca Agnelli, uma parede exibe uma coleção de 20 capas maravilhosas de várias edições das "Aventuras do Barão de Munchhausen". A mãe de Von Vegesack se casou com um dos descendentes do barão. Começava a lenda e a viagem de descoberta.

Mara Gama às 15h19

Castelo-Escola em Boisbuchet



foto: Castelo de Boisbuchet, por Thomas Dix



Consultor internacional de vários museus para a área de design, Alexander von Vegesack criou o Museu Thonet em Boppard am Rhein, na Alemanha, organizou mostras no Centro Pompidou e no Museu d'Orsay, em Paris, e, desde 1987, trabalha no projeto do Vitra Design Museum, que fundou junto com o proprietário da fábrica de móveis Vitra.


Desde 1996, patrocina seminários, workshops, conferências e programas de residências de artistas em um castelo em Boisbuchet, no sudeste da França, para arquitetos, designers, artesãos e artistas, em parceria com o Centro Pompidou.



foto: “Papertube Architecture” , workshop de Shigeru Ban em 2001



foto: Workshop “Fête de la Lumière”, de Ingo Maurer, em 2001


Na mostra que exibe 300 peças de sua coleção na Pinacoteca Giovanni e Marella Agnelli, em Turim, há uma luminária feita por uma estudante de design em Boisbuchet e um vídeo que conta a história do centro de Boisbuchet.

Mara Gama às 15h17

14/04/2008

Dia de eleição em Turim, capital mundial do design 2008 - produção local



Numa das marginais do Rio Po, em Turim, uma simpática cabeça de touro homeganeia a cidade e dá água ao mesmo tempo. Ou vice-versa. Bom design.


A primavera anima o Parco del Valentino, que fica cheio de gente. O pequeno torinês Paolo dá uma banda em sua bicicleta de madeira, muito bacana, de fabricação local.



Dois irmãos armaram um esquema econômico e auto-sustentável para se movimentar, se divertir e ainda levar o cachorro, também no Parco del Valetino.



Mara Gama às 02h44

Exposição nas galerias da Via Po, em Turim

 


Nas galerias cobertas, comuns em toda a cidade, e que também estão nas laterais da Via Po, uma exposição de fotos pregadas nas arcadas superiores acompanha o passeio dos pedestres. A mostra, que começou em março e vai até dezembro, pretende reforçar a idéia da presença constante do design na vida cotidiana das pessoas.



 



Da Via Po a Piazza Vittorio Veneto, são 80 cartazes impressos em material vinílico com ícones do design, com nome do autor, data e definições bem-humoradas e sintéticas. A mostra faz parte do projeto Turim 2008 - capital mundial do design.



 



 

Mara Gama às 02h40

Borgo Medievale de Turim


O Smart, ultrapremiado modelo de automóvel, está em toda parte. Nos Estados Unidos, onde chegou mais recentemente, o Smart "Fortwo" foi classificado como ecologicamente correto, pois além de ter circuito interno que economiza energia no motor, consome pouquíssimo combustível. Ainda mais se comparado às barcas americanas. The Exquisite Car. Miniaturas à venda, na entrada do Borgo Medievale.




O Borgo Medievale até que é legal, mas logo que você se aproxima das muralhas e das paredes já percebe que não daria para ser medieval e estar tão conservado e você ainda não saber de tudo isso. É fake. Foi construído no século 19. Boa cenografia.




Bem perto do Borgo, na margem do rio Po, outra falseta. Desta vez da natureza. Mas essa é linda. Na primavera, uma espécie de paineira solta uns flocos que parecem neve. Quando bate o vento os flocos voam e depois se acumulam no caminhos de pedra do Parco del Valentino.




"Turim 2008 - capital mundial do design" que mostrar que o design pode melhorar a vida das pessoas. Sim, claro que pode. Poderia começar com o banheiro do Borgo Medievale. Ausência de design. Vietato!



Mara Gama às 02h36

Propaganda eleitoral à italiana

 


A propaganda eleitoral tem locais reservados nas ruas de Turim, os cartazes têm tamanho padrão e as campanhas parecem não poluir a cidade. Numa via paralela ao Parco del Valentino, cartazes de vários candidatos são colados lado a lado. A disciplina nas campanhas é de invejar. Já os cartazes não são lá inovadores. No país que inventou as figuinhas Pannini, tá fraco.


Quase todos repetem a fórmula de reproduzir o selo da cédula e cravar um x. Não é por acaso. Com as eleições políticas junto com as administrativas, em algumas cidades, como a capital, Roma, o eleitor tem de preencher seis cédulas. Além do que, com as várias alianças, fica mais difícil guardar quem apóia quem. Com tanta variável, melhor fixar a mensagem. 


Os jornais italianos desta segunda frisam nas manchetes queda na presença na votação geral - 62,5% votaram no primeiro dia, contra 66,5% no primeiro dia nas eleições de 2006. Berlusconi, o "advogado", que já esteve no governo e agora é cadidato pela coalizão do partido Povo da Liberdade com a Liga do Norte, era favorito, segundo analistas.



Um dos cartazes de apoio ao candidato Veltroni, ex-prefeito de Roma, da coligação do Partido Democrático com Itália dos Valores, é mais moderno e, assim como a campanha, quer atualizar a imagem da esquerda. Estampa a cara do candidato que propõe um governo de ação, com o lema "É possivel fazer", e também o ministério mais "rosa" que a Itália já teve, o que quer dizer: com muitas mulheres no poder. Mais uma inspiração Zapaterista. 


 


O campeão de mau gosto é o cartaz da Liga Norte, uma das forças de direita que apóia Berlusconi. Mais preocupado em, digamos, "firmar o conceito", que em pedir votos para  candidatos, o cartaz é o mais terrível e o mais forte na comunicação. Dá para não entender a mensagem contra os imigrantes? "Eles sofreram imigração e agora vivem em reservas. Pense nisso..."


Mara Gama às 02h29

Dia de eleição em Turim, capital mundial do design 2008

Domingo, dia 13 de abril, dia de eleições na Itália. Em Turim, pela manhã, sol de primavera, clima de feriado com música e brinquedos para as crianças na Piazza Castello. Este é o Vertigem, dois aros paralelos de metal unidos por barras onde se pode segurar e rodar. Brinquedo que surgiu da dança e ganhou a rua.


Também foi dia de maratona, que passou pela Via Po, rua que sai da Piazza Castelo e vai em direção ao rio Po, um dos dois que cortam Turim. O outro é o Dora.

Mara Gama às 02h15

13/04/2008

História do Gasômetro de SP vira livro


A história da produção de gás que alimentou a cidade de São Paulo por mais de 100 anos virou livro. Na próxima terça, 15, será lançado "Complexo do Gasômetro", de Luis Antônio Magnani e Hugo Segawa.



 


A Casa das Retortas e o Gasômetro, no Parque D. Pedro II, Centro, formavam o pólo de produção de gás para casas, comércio, indústrias e iluminação de rua do final do século 19 até 1974, quando foram desativados.


Nas Retortas se produzia o gás, a partir da queima do carvão mineral. No Gasômetro, se armazenava e de lá partia a distribuição do gás para a cidade de São Paulo.


Mapas, desenhos, fotografias, plantas e anúncios antigos acompanham o estudo.


O livro conta parte da história da industrialização de São Paulo e detalha o processo de restauração dos dois edifícios, tombados pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico Artístico, Arqueológico e Turístico do Estado de São Paulo, o Condephaat, e pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo, o Conpresp.


Dois anos depois de iniciada a restauração, o prédio volta a ser ocupado pela Comgás, com seus escritórios.


O lançamento será na Livraria Cultura do Shopping Villa-Lobos.


 

Mara Gama às 16h07
Veja todos os posts
Perfil

Mara Gama é jornalista com especialização em design.

Perfil