14/08/2009

Feiras para profissionais

House & Gift e Paralela Gift, duas feiras de utensílios, objetos e artigos para casa, se uniram para a edição de agosto de 2009, que começa neste dia 15 e vai até 18 no Center Norte, em São Paulo.

A House & Gift Fair reúne cerca de mil expositores, brasileiros e estrangeiros, está em sua 39 edição e será dividida em oito salões - Eletro, Utility House, In Domus, Linea Domus, Textil House, World of Gifts, In Light e Supri Shop - além de abrir um espaço de tendências. A Paralela Gift é uma feira semestral, destinada a lojistas e profissionais, com quatro áreas expositivas: design, têxtil, mobiliário e jóias. 

As duas feiras são só para profissionais. Para o ingresso é necessária a apresentação do CNPJ da empresa.
 

Mara Gama às 19h44

Iluminação em debate

 

projeto com LEDs e fibra ótica de Mark Rea, Rensselaer Polytechnic Institute


Nos dias 21 e 22 de agosto São Paulo vai receber o 2º Fórum Latino-Americano de Iluminação, com palestras e painéis.

A história da iluminação no Brasil, a interferência da iluminação no ciclo biológico, fundamentos científicos da iluminação, integração entre iluminação natural e artificial e características da profissão de arquiteto de iluminação serão debatidos por profissionais brasileiros, argentinos, chilenos, norte-americanos, mexicanos e uruguaios convidados pela Associação Brasileira de Arquitetos de Iluminação, AsBAI. A associação divulga também um curso de aprimoramento técnico.

 

Museu de Arte de Ponce, Porto Rico, projeto de Edward Durrell Stone

2º Fórum Latino Americano de Iluminação
21 e 22 de agosto
Centro de Convenções Blue Tree – av. Brig. Faria Lima, 3.989 
Inscrições: 11 5531 0784
www.asbai.org.br / forum.asbai@uol.com.br

Mara Gama às 19h24

10/08/2009

Ícones franceses e brasileiros

 

copo Nadir Figueiredo

Ícones do design brasileiro e francês ganham exposição a partir do dia 13 de agosto no Museu da Casa Brasileira , em São Paulo.

Cadeira Bowl de Lina Bo Bardi, 1951

Havaianas, 1962

 Fotos e projeto do Orelhão, 1971, telefone público de Chu Ming Silveira


Com curadoria do historiador francês Cédric Morisset e da jornalista e crítica de design Adélia Borges, a mostra traz 44 itens - 22 de design brasileiro e 22 de design francês- entre mobiliário, utensílios, luminárias, cartazes e é parte das comemorações do ano da França no Brasil.

cadeira Paulistano, Paulo Mendes da Rocha, 1957  

Cadeira São Paulo, Carlos Motta, 1982


Depois do Museu da Casa Brasileira, “Ícones do Design:  França- Brasil” viaja para o Paço Imperial, no Rio.


Segundo Adélia Borges, entre os objetos escolhidos estão projetos "que expressaram seu tempo, seu lugar. Que venderam muito. Alguns objetos são altamente atraentes e capturam de imediato a nossa atenção. Também graças ao papel da mídia, que ecoa mais um tipo de produto do que outro, eles rapidamente se tornam alvo do nosso desejo. A maioria dos objetos aqui incluídos vão além da função, para nos tocar com a emoção. Eles atuam como chaves de acesso à memória afetiva, estabelecendo uma conexão emocional, às vezes até amigável, com os usuários. Quase todos, ainda, ao captar e expressar o espírito de seu tempo, acabam por transpassar o portal da temporalidade."

Exposição montada com a cadeira 3 pés de Joaquim Tenreiro e a luminária bossa de Fernando Prado, 2005


Em texto que assina em colaboração com a curadora associada Helene Convert, Morisser define ícone:


"Para tornar-se ícone, o objeto deve estar em sintonia com o desejo da sua época. A cadeira Standard, de Jean Prouvé, nunca foi considerada na sua época como um ícone, nem criada no intuito de marcar as consciências. Foi o sistema mercadológico que a trouxe para a frente da cena, num primeiro momento pelas galerias de design vintage e, mais tarde, pela reedição do modelo pelo editor suíço Vitra. Valorizada, comunicada, reintegrada na mitologia do design, tornada desejável, vendida, a cadeira ganhou o estatuto de ícone e o desejo dos seus contemporâneos, 50 anos após a sua criação. Se o ícone do design é, de fato, o objeto instrumentalizado da sociedade de consumo, também é aquele que conseguiu se impor entre os outros, na hora ou mais tarde, permanecendo como produto ou saindo parcialmente da rede comercial".


 De cima para baixo: cartaz da BIC Cristal de 1950; Mobilette, Pininfarina, 2006; cadeira standard, Jean Prouvé, 1934; cadeira Tolix, de Xavier Pauchard, 1934; espremedor de cítricos de Philippe Starck, 1990

"É esta capacidade de o objeto marcar o seu tempo simbólica e visualmente, relegando ao mesmo tempo o seu valor de uso a um plano secundário, que caracteriza todos os ícones do design. Assim, talvez se dê com o espremedor de frutas Juicy Salif de Philippe Starck, apresentado nesta exposição, com características tanto de escultura quanto de produto de uso. Alessi, o fabricante, aconselha até que o modelo dourado, editado em série limitada em 2000, seja, em vez de utilizado, exposto em cima de uma prateleira. Entretanto, amado ou execrado, o Juicy Salif encarna incontestavelmente a evolução do design produzido no final do século XX. Esse objeto, mais do que qualquer outro, marca a evolução das prioridades do consumidor, indo da necessidade para o desejo, que Guy Debord descreve como “um fetichismo da mercadoria”.

 

Ícones do Design: França - Brasil
Abertura: 13 de agosto, 19h30
Visitação: de 14 de agosto a 20 de setembro, de terça a domingo, das 10h às 18h
Museu da Casa Brasileira - av. Faria Lima, 2705 - Tel. 11 3032-3727 Jardim Paulistano São Paulo
Ingresso: R$ 4,00 - Estudantes: R$ 2,00  Gratuito domingos e feriados Acesso para pessoas com deficiência.

Mara Gama às 15h50
Veja todos os posts
Perfil

Mara Gama é jornalista com especialização em design.

Perfil