22/11/2010

Museu da Casa Brasileira abre dia 23 mostra do 24º Prêmio Design

Nesta terça, 23, as 19h30, O Museu da Casa Brasileira, em São Paulo, premia os vencedores do 24º Prêmio Design MCB e abre exposição com os 71 projetos finalistas. A visitação vai de 24 de novembro a 16 de janeiro de 2011.

Este ano foram 538 inscrições, divididas em oito categorias: Equipamentos de transporte, Trabalhos Escritos Publicados, Têxteis, Equipamentos de construção, Equipamentos eletroeletrônicos, Iluminação, Utensílios e Mobiliário. Cada uma das categorias tem uma modalidade protótipo (em trabalhos escritos equivale a não-publicados). Foram representantes de 16 estados, sendo 252 de São Paulo, 65 do Rio Grande do Sul, 58 do Paraná, 52 de Minas Gerais e 47 do Rio de Janeiro. Os estados do Amazonas, Ceará, Bahia, Distrito Federal, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Santa Catarina.

A organização do Prêmio modificou mais uma vez o modo de avaliação. Nesta edição, foi formado um júri geral, coordenado pelo professor Auresnede Pires Stephan, para avaliar o conjunto dos inscritos e selecionar os 140 projetos que seguiram para a seginda fase. Para a segunda avaliação, foram formados grupos de especialistas. Os trabalhos escritos foram avaliados em uma única etapa.

Abaixo, na sequência, Banco Solo, de Domingos Tótora, e módulo da Linha Tiras, de Gerson de Oliveira e Luciana Martins, da Ovo 

 

Módulo 7, de Zanini de Zanine

Mais de 50% dos projetos inscritos era de mobiliário ou protótipo de mobiliário. Três projetos dividiram o primeiro prêmio na categoria: o Módulo 7, em fibra de vidro e plástico, de Zanini de Zanine (Rio); o banco Solo, de papelão reciclado, de Domingos Tótora (MG), e a linha Tiras, de madeira e compensado com estofamento e estrutura de aço inox polido, de Luciana Martins e Gerson de Oliveira (SP), da Ovo.

Em trabalhos escritos, o primeiro lugar foi para a coletânea de artigos do crítico Guilherme Wisnik publicados na "Folha",  entre 2006 e 2007: "Estado crítico – à deriva nas cidades", Publifolha (SP). Além dos artigos, foram acrescentados ao volume quatro ensaios e uma entrevista.

 

 capa de "Estado Crítico", de Guilherme Wisnik

Capa de "Impresso no Brasil", organizado por Rafael Cardoso

Em segundo lugar na categoria ficou "Impresso no Brasil (1808-1930) - Destaques da história gráfica no acervo da Biblioteca Nacional", livro de Rafael Cardoso, Isabel Lustosa, Joaquim Marçal Ferreira de Andrade e Lúcia Garcia, editado pela Verso Brasil Editora (RJ),

O designer Fernando Prado, veterano no prêmio, venceu na categoria Iluminação, com a linha Bauhaus 90, com cúpula e base em alumínio repuxado e pintado por processo eletrostático.

A bengala eletrônica de Renato Fonseca Livramento da Silva e Alejandro Ramirez Garcia (MG), ficou com o primeiro lugar em eletroeletrônicos – protótipos, considerada produto de integração à vida nas cidades. Na pega, o protótipo tem um sistema eletrônico com sensor, placas eletrônicas, micromotor vibratório, potenciômetro e bateria, uma haste de alumínio e uma ponteira de nylon. Segundo comunicação do MCB, os testes mostraram eficácia na identificação de barreiras físicas.

 

Na categoria dos equipamentos eletroeletrônicos, também houve empate no primeiro lugar. O prêmio ficou dividido entre um purificador de água com indicador luminoso de reposição, de Mario Fioretti (SC), e o Id Rep, identificador biométrico de alta tecnologia, de Vinicius Alberto Iubel e Aguilar Selhorst Junior (PR).

Na categoria utensílios, o prêmio foi para uma panela Wok, de cerâmica, de Luís Evers (PR). Em têxteis, venceu o tecido 3 Erres, feito de resíduos têxteis, por Rosângela Ortiz de Godoy (SP).

Em equipamentos de construção, o primeiro lugar foi para a linha Simetria, de utilitários de cozinha com engenharia de alta performance, de Guto Indio da Costa, André Lobo e Gabriella Vaccari (RJ).

O designer Indio da Costa recebeu também o prêmio em protótipos equipamentos de transporte com o projeto Moto-Bus, sistema de transporte terrestre elevado. O carro movimenta-se numa canaleta embutida na base, trilhos e um sistema de tração e suspensão com apenas 80 centímetros. Segundo comunicação do MCB, o prêmio se deve à "solução de transporte coletivo e redução do impacto no meio urbano em composição com os sistemas atuais". "A proposta apresenta uma solução inteligente e criativa aos problemas de transporte de massa em centros metropolitanos, evitando no tráfego urbano a disputa entre ônibus e veículos leves. Em sua concepção são levados em consideração aspectos importantes de viabilidade e soluções técnicas para implantação, cuidando de questões relacionadas com emissão de poluentes,acessibilidade e agilidade".

 

Mostra: 24º Prêmio de Design do Museu da Casa Brasileira
Endereço: Av. Faria Lima, 2705 - Jardim Paulistano
Ingresso: gratuito
Visitação: 24 de novembro a 16 de janeiro
De terça a domingo, das 10h às 18h

Mara Gama às 16h40
Veja todos os posts
Perfil

Mara Gama é jornalista com especialização em design.

Perfil